Para quem não sabe COPROFAGIA é o nome científico que se dá para o ato de comer as fezes (as próprias ou de outros animais). Convidamos você a ler esta mensagem, não só para conhecer mais sobre este comportamento que é muito comum em nossos amigos peludos, mas também para ver os benefícios que o novo produto da BitCão traz até para os cachorros saudáveis.

 

A novidade é o COPROVET, o único tratamento anti-coprofágico do Brasil, desenvolvido pelo Laboratório Coveli e tem o mesmo princípio ativo do ANTI-COPROFÁGICO DETER – produto importado com exclusividade pela BitCão por muitos anos, com grande aceitação e resultados do mercado internacional. O fato do COPROVET ser fabricado no Brasil é uma vantagem a mais para os clientes da BitCão, pois podemos garantir o estoque regular do produto e ainda oferecer um preço mais em conta para nossos clientes.

Para facilitar o tratamento do seu cão a BitCão oferece, com preço especial, o conjunto de 60 comprimidos – suficiente para o tratamento por 4 semanas de um cão com até 10 quilos de peso -, e o conjunto de 120 comprimidos – suficiente para o tratamento por 4 semanas de um cão de 11 até 20 quilos de peso.

Se for necessário você também pode adquirir caixa com 20 comprimidos para fazer a manutenção ou para ajustar a dosagem necessária de acordo com o peso do seu cão.

Mas primeiro vamos entender por que os peludos apreciam esta atividade gastronômica tão desagradável.

Embora o ato de comer as próprias fezes, ou de outros animais, nos pareça totalmente nojento, para os cães esta não é uma atitude “escandalosa”.

Claro que isso não quer dizer que todos os cachorros estão pensando em servir canapés de “patê du cocô” para os convidados caninos, mas com certeza a cadelinha do prédio ao lado não vai deixar de namorar o seu garanhão só porque ela o viu fazendo uma “boquinha” pouco ortodoxa.

Falando sério. O ato de comer fezes deve ser tratado, mas não fique pensando que o seu cachorro é nojento ou anormal por causa disso.

Nem sempre as causas para um cachorro desenvolver o hábito de ingerir fezes são claras, ou fáceis de serem identificadas.

Um exemplo de situação natural onde o cão, ou melhor, a cadela come fezes é quando ela está com os filhotes recém nascidos. Uma boa cadela nunca vai deixar que seus filhotes fiquem num lugar sujo de fezes e urina. Como conseqüência ela vai lamber os filhotes após cada mamada, não só para estimulá-los a fazer o xixi e cocô (cachorros muito novinhos precisam de estímulos, na forma de massagens, para poder fazer xixi e cocô), como também para limpar a sujeirinha e deixar o “ninho” o mais limpo possível, evitando que o local fique contaminado.

Assim que os filhotes estiverem mais crescidinhos a cadela usará de outros meios para ensiná-los a defecar longe da área aonde eles dormem e são alimentados. Ela passará a se levantar do ninho alguns minutos antes deles estarem totalmente saciados. A procura das “mamadeiras” gostosas da mamãe os filhotes irão acompanhá-la para fora do ninho e acabarão fazendo as caquinhas (o que normalmente ocorre logo após o fim da mamada) do lado de fora, e não na cama.

Embora nesta época já não se espere que a mãe e os filhotes procurem fezes para comer, é comum que alguns filhotes continuem explorando suas fezes, para brincar com elas, ou para comê-las, por conta dos seus impulsos exploratórios. Se isso estiver ocorrendo é preciso, antes de mais nada, levar o filhote ou o cachorro adulto num veterinário para afastar qualquer possibilidade de problema nutricional.

A coprofagia em filhotes mais velhos e em cachorros adultos pode estar relacionada com problemas que interferem na absorção normal dos alimentos. Peça para o seu veterinário checar todas as possibilidades, como verminose, pancreatite, deficiência de enzimas digestivas, ou outros problemas no aparelho digestivo.

Um outro fator é alimentar. Uma dieta inadequada, pobre em fibras e/ou proteínas pode fazer com que o seu cão vá buscar estas substâncias nas fezes de um outro animal. Estudos também apontam que cachorros alimentados uma única vez no dia tendem a comer as próprias fezes mais dos que os cães alimentados duas ou mais vezes por dia. A explicação de tal relação está no fato de que alguns cachorros possuem uma dificuldade maior de absorver os nutrientes se eles forem oferecidos em uma única grande porção de alimento. Os nutrientes, nestes casos, acabam passando direto para as fezes do animal que, mais tarde, sentindo-se mal nutrido, acaba voltando nas próprias fezes para se alimentar.

É o que parece ocorrer também quando mais de um cachorro é alimentado ao mesmo tempo, muitas vezes no mesmo prato, e um cão é muito mais dominante do que o outro. O cachorro mais dominante pode até mesmo “impedir” que o cachorro mais submisso se alimente com um simples olhar. O cachorro mais submisso só irá se aproximar do prato quando o cão mais dominante permitir e estiver totalmente saciado.

Desta situação duas coisas podem acontecer:

  1. O cachorro mais dominante come muito mais do que agüenta para não deixar que o mais submisso se alimente direito (competitividade) e acaba tento o mesmo problema que o caso descrito acima, ou seja, não consegue absorver todos os nutrientes da ração, ou;
  2. O cachorro mais submisso passa fome e tem que recorrer às fezes do cão mais dominante para se alimentar.

Existe ainda a possibilidade de que seu cãozinho esteja “recolhendo” as fezes para não ser punido por ter feito a sujeira no lugar errado (ou lugar certo, mas ele não quer correr o risco assim mesmo).

É bastante comum que cachorros que foram punidos com freqüência, e ainda muito cedo, apresentem este tipo de comportamento. O grau necessário de severidade da punição para causar tal reação vai depender da sensibilidade individual de cada cachorro. Ou seja, nem sempre é preciso que o cachorro seja “espancado” a cada acidente para que ele passe a comer as próprias fezes.

Maus hábitos de higiene também têm sua contribuição. Filhotes que ficam presos em locais sujos podem desenvolver a habilidade de limpar a área por conta própria. Falta de atenção dos donos, tédio, solidão, medo e estresse emocional também podem deflagrar este comportamento impróprio.

Embora não exista nenhum estudo conclusivo a respeito, algumas raças de cães parecem ter uma predisposição genética para comer as próprias fezes. É o caso dos retrievers e também de alguns baixinhos como o Lhasa-Apso e o Shih-Tzu.

Se o seu cachorro já está comendo fezes por aí, ou para prevenir que este problema venha a acontecer, aí vão algumas sugestões:

  •  
    • Alimente o filhote, ou cão adulto pelo menos duas vezes por dia (filhotes até 6 meses vão precisar ser alimentados pelo menos 3 vezes por dia) e com uma ração de boa qualidade. Se você possuí mais de um cachorro na casa, alimente-os em pratos separados e certifique-se que todos estão tendo oportunidade de comer direitinho.
    • Não dê frutas, doces e outras guloseimas para seu peludo enquanto ele estiver sendo tratado para parar de comer cocô. Os “restinhos” destas gostosuras podem passar para as fezes (principalmente frutas e legumes adocicados) tornando-as ainda mais atraentes. Evite também os biscoitos caninos e outros petiscos.
    • Procure manter o jornal do seu filhote sempre bem limpinho e, de preferência, não deixe o filhote ver você limpando as caquinhas. Não queremos que o filhote muito inteligente resolva imitar o seu comportamento “comlurbiano”.
    • Não brigue com o seu filhote se ele já tiver feito o cocô ou xixi no lugar errado. Simplesmente limpe a sujeira e espere uma oportunidade para pegá-lo no ato. Se você começar a ver movimentos circulares em cima do seu tapete persa pegue o filhote no colo e leve-o imediatamente para o local permitido. Se ele já estiver no meio do xixi, ou do cocô, não espere ele acabar. Interrompa-o com um sonoro “AÍ NÃO”, pegue o bicho no colo e leve-o imediatamente para o jornal. Chegando no jornal NÃO BRIGUE com o filhote, pelo contrário faça a maior festa do mundo e se uma gotinha de xixi ou cocô cair no jornal faça ele se sentir o mais amado dos bichos.
    • Observe sempre que o seu cachorro for ao banheiro e crie uma rotina para distraí-lo assim que ele fizer o cocô. Acabado os negócios chame-o para um cômodo bem longe da área com o jornal e dê um brinquedinho, um casco de vaca para o totó, ou melhor ainda, um palitinho do Organnact Pet Probiótico como recompensa. Enquanto ele fica distraído roendo seu petisco, ou brincando, limpe o local rapidamente, sem deixar que o peludo veja.
    • Leve o seu cachorro para um check-up e se for preciso faça um exame de fezes no totó, conforme a orientação do seu veterinário. Mantenha seu bichinho livre de vermes. Ligue antes para receber orientações de como coletar as fezes e como armazená-las de forma correta para que o exame seja o mais preciso possível.
    • Se o seu veterinário prescrever um remédio de vermes lembre-se que é muito importante seguir a risca as orientações dadas por ele. Administre o remédio na dose correta e nos dias exatos para não perder o ciclo dos parasitas.
    • Converse com seu veterinário, ou com o criador do seu cachorrinho para considerar uma mudança na ração do seu peludo. Aparentemente algumas rações deixam as fezes mais atraentes do que outras.
    • Reserve uma parte do dia para dar atenção e exercitar especialmente o peludo. Cachorros que são deixados muito tempo sozinhos (mais de 4 horas seguidas), ou confinados em locais pequenos e com poucos brinquedos, tendem a comer mais fezes do que aqueles que são exercitados regularmente ou que recebem mais atenção de seus donos.

Além destas mudanças na rotina do seu peludo, que são extremamente importantes, você pode contar com o COPROVET (para coprofagia de origem comportamental) e com o Organnact Pet Probiótico (para coprofagia de origem metabólica) para ajudar ao seu cão a superar este comportamento ainda mais rápido.

 

ANTI-COPROFÁGICO COPROVET

ANTI-COPROFÁGICO COPROVET

Como vimos na explicação sobre coprofagia, existem aqueles cachorrinhos que comem cocô por puro tédio, ou para manter o local limpo e sem vestígios para evitar broncas e punições. Alguns até nem chegam a comer todo o cocô, mas brincam com eles e carregam pedacinhos na boca.

Quando não há dúvidas de que o problema está relacionado com o metabolismo do peludo, o COPROVET pode ser a solução para acabar com este comportamento indesejado. Ele é composto de ingredientes naturais que deixam as fezes com um sabor e odor nada atraentes para o cão.

Ele é mais eficaz do que soluções caseiras como, por exemplo, colocar pimenta em cima das fezes, pois como ele é ingerido e processado pelo cachorro você não vai precisar ficar vigiando cada ida ao banheiro do seu cão para colocar a pimenta.

Segundo o fabricante, testes realizados por empresas independentes mostraram que o COPROVET é eficaz em acabar com a coprofagia em 95% dos casos cuja origem é comportamental.

IMPORTANTE: se o seu cão come as fezes de outro cão da casa você deve dar o COPROVET para cão cujas fezes estão sendo ingeridas. Se o seu cão come fezes do gato você pode dar o COPROVET para o bichano seguindo as doses da embalagem. A taxa de sucesso com os gatinhos é de 50%, então não custa nada também manter a caixa sanitária em um local alto, onde o cão não tenha acesso, ou usar uma com tampa.

 

ORGANNACT PET PROBIÓTICOORGANNACT PET PROBIÓTICO

ORGANNACT PET PROBIÓTICO

O Organnact Pet Probiótico é um complemento importante no tratamento da coprofagia, principalmente quando o proprietário tem dúvidas se o ato do peludo comer o próprio cocô tem alguma relação com a má absorção dos nutrientes contidos na ração, ou quando o Anti-Coprofágico COPROVET sozinho não está dando o resultado desejado.

É um produto totalmente natural, formulado a base de leveduras provenientes de hortaliças e leguminosas desidratadas, que contribuem para a manutenção da saúde intestinal do cão, otimizando o aproveitamento dos nutrientes contidos na sua alimentação. Além disso, é rico em fibras e vitaminas do complexo B.

A combinação de uma alimentação saudável de qualidade, como uma ração premuim, por exemplo e um complemento alimentar probiótico, que melhora a digestão e aproveitamento dos nutrientes contidos na ração, resultam em vários benefícios para a saúde do seu cão, como:

- Melhora no apetite
- Melhora na pelagem
- Melhora a saúde intestinal
- Estimula a flora bacteriana benéfica
- Estimula a não-proliferação de bactérias patogênicas (que causam doenças)
- Evita diarréia ou prisão de ventre
- Estimula as funções do sistema imune
- Reduz a formação de gases
- Reduz o volume e o odor das fezes
- Ajuda no controle da coprofagia de origem metabólica

Segundo o veterinário responsável do fabricante Todos os animais podem receber os produtos ORGANNACT, pois não há contra-indicação, desde que cada produto seja utilizado conforme a indicação feita pelo laboratório, em relação à categoria animal e a dose a ser administrada.

Como se pode ver, o Organnact Pet Probiótico ajuda o cão a ficar muito mais saudável, aproveitando o que há de melhor em sua alimentação, além de ajudar a combater um hábito tão desagradável como é comer cocô.

Mas afinal, o que são Probióticos?
São microrganismos que se instalam e crescem no intestino de um animal, trazendo benefícios para a saúde deste animal. Estes microrganismos trabalham em favor do hospedeiro que eles habitam, ajudando a controlar o crescimento e o desenvolvimento das “bactérias ruins” que podem causar doenças, diarréias, gases, e outros males.

A BitCão tem
p
rodutos que você nunca viu em uma Pet Shop!
O endereço é http://www.bitcao.com.br

 

Cláudia Pizzolatto
Treinadora Especialista em Comportamento Canino
BitCão – Brinquedos Inteligentes para o Treinamento do seu Cão
Lord Cão – Treinamento de Cães Ltda.

Nós aceitamos:
Boleto Bancário  VISA  MASTERCARD  AMERICAN EXPRESS  DINERS CLUB

Copyright Cláudia Pizzolatto – 2001 – Todos os direitos reservados.
Este artigo tem seus direitos autorais protegidos por lei.
É permitida a sua reprodução sem alterações
desde que sejam colocados o nome da autora
e o link para a webpage da BitCão.